Galvanoplastia

Data:
Categoria: TÉCNICA ARTESANAL
"Onde as cores ganham vida."
1/3
2/3
3/3

Adicionando cor através da química

Verdadeiro laboratório dentro da manufatura Hublot, o departamento de galvanoplastia é onde as cores ganham vida.

Galvanoplastia é um processo no qual íons metálicos carregados positivamente e dissolvidos formam uma ligação coerente com um eletrodo de metal comum, por meio de correntes elétricas. Em outras palavras, um metal banha o outro.

Para criar relógios com harmonia cromática por dentro e por fora, o laboratório de Galvanoplastia trabalha com uma ampla gama de componentes, de placas e pontes do movimento a mostradores esqueletizados (como o Aero Bang) e componentes ainda menores, como alavancas. Liderada por um químico, a equipe de galvanoplastia trabalha em estreita colaboração com os departamentos de P&D para chegar a soluções avançadas e explorar novas possibilidades de cores.

Para banhar um metal, os componentes recém usinados são inicialmente limpos com ultrassom, em seguida mergulhados em um ácido suave para remover quaisquer óleos ou contaminantes, bem como a camada de oxidação que se forma na superfície de certos metais. Começar com um metal limpo é vital para alcançar uma cobertura uniforme e garantir que o revestimento de fato se ligue à superfície do metal.

Uma vez limpos, os componentes são adicionados a uma solução ácido-metálica para dar ao material a cor com o qual será revestido. Dependendo das cores desejadas, diferentes elementos metálicos são utilizados, incluindo ródio para a cor preta, rutênio para cinza/prata e muitos outros. As peças podem ainda ser revestidas com metais preciosos, como ouro e platina, incluindo as várias ligas de ouro coloridas, como ouro amarelo ou rosa.

Além da aplicação meramente cosmética, a galvanoplastia também pode alterar e melhorar as propriedades de um material, endurecendo-o e fornecendo uma camada protetora contra corrosão e oxidação.

O Departamento de Galvanoplastia é responsável não apenas por verificar a qualidade final dos componentes banhados, mas também por examinar a composição material tanto de componentes e peças manufaturados quanto terceirizados, graças a uma máquina de fluorescência de Raio-X (FRX) dentro do laboratório.

Artigos relacionados